quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Manual de "migrantes" para totós - Fatiha é de Omhs. Sempre foi de Ohms. Ao longo de 30 anos, teve sete filhos. Encontramos um ventre seco e um olhar que as lágrimas já não visitam. A sua vida foi vender bolos, até que a guerra começou. Agora, tem muitas dificuldades em se mover. Há 3 anos, Amid e Ibrahim foram mortos pelo regime de Assad. As filhas mais novas, que tratavam dela, foram raptadas pelos criminosos do ISIL, no início do verão. Yussuf, Mamoud e Zacharias partiram há dois meses, com destino à Alemanha. Prometeram enviar, notícias mal chegassem, mas Fatiha não voltou a ouvir falar deles. Confessa que come um pouco de pão, que a vizinha lhe dá, uma vez por dia, mas ela também já lhe disse que também poderá partir em breve. Agora, quando Fatiha tenta dormir, é sempre agarrada ao seu cão. Quem cuidará da velhice de Fatiha?...



Fatiha

(Quarteto do já chega de intoxicação, por que se formos para a intoxicação, nós também sabemos intoxicar, no "Arrebenta-SOL", no "Democracia em Portugal", no "Klandestino" e em "The Braganza Mothers")

2 comentários:

Luis disse...

Se nós, intelectuais, não começarmos a erguer a voz contra a invasão dos nossos valores, a Civilização, tal como a conhecemos, terminará

Cigana Moléstia disse...

Uma muçulmana a dormir agarrada ao cão??

AHAHAHA!

Que estória mais maluca! Este gajo está xexé! Inventa uma estória racista para dizer que os sírios não são benvindos a Algés.

Racista nojento! Anda há anos a fazer turismo sexual em países pobres explorando rapazes vulneráveis e depois quer regressar à sua casinha de cabeça erguida e de cara lavada.

Um pedófilo fora de portas que cultiva o racismo.

Nojo de criatura!